Influenciador Itallo Bruno é solto pela Justiça do Piauí - Cidades
Sábado, 25 de maio de 2024, 23:14
Cidades

Influenciador Itallo Bruno é solto pela Justiça do Piauí

Itallo Bruno foi preso na "Operação Jogo Sujo" na última quinta-feira (11).

O influenciador digital Itallo Bruno, preso previamente na "Operação Jogo Sujo", foi solto na tarde desta segunda-feira (22). A Justiça também concedeu liberdade a familiares, incluindo mãe, irmã e amigos. A operação foi deflagrada pela Polícia Civil do Piaui na última quinta-feira (11).

Ao deixar a cadeia pública de Altos, Itallo Bruno se ajoelhou, e o advogado Lucas Villa colocou a mão em sua cabeça, como se estivesse realizando uma oração. Itallo é acusado de ter movimentado cerca de R$ 4 milhões para membros de uma facção criminosa nos últimos meses. Os investigados enfrentam acusações de obtenção de vantagem ilícita por meio de jogos de azar e ocultação de patrimônio em compras de diversos bens. Onze pessoas foram detidas, e a Polícia Civil apreendeu oito carros e 13 motos de alto valor, além de uma porção de maconha.

No último sábado (20), o Influencer e mais 10 pessoas foram indiciados, dentre eles indiciados, além do próprio influenciador, encontram-se Emilly Christine Melo Brito (namorada de Itallo), Sâmia Camila Nunes e Silva (irmã de Itallo), Lucilene Nunes de Sousa (mãe de Samia e Itallo), Valdir Sousa e Silva (pai de Itallo), Kelton Douglas da Silva Moura, Rikelme de Franca Silva Soares Moura, Leticia Evellyn dos Santos Carneiro (ex-namorada de Itallo), Marcos Victor Pereira Silva (ex-contador de Itallo), Israel Veloso da Silva e Vinicius Alves da Silva Barbosa.

  

Itallo Bruno, momento da saída do influencer da  cadeia pública de Altos
REDES SOCIAIS

   


Entenda o caso

   

O relatório policial excluiu o indiciamento do servidor da Assembleia Legislativa do Piauí (Alepi), Lucas Soares Campos de Carvalho, Thales Victor Costa, José Phablo Rangel Oliveira dos Santos e Paulo Henrique Araújo de Moura.

Itallo Bruno, segundo a polícia, utilizava seu Instagram para promover rifas, recebendo dinheiro proveniente de atividades ilícitas, e empregava dados de terceiros em seus veículos para ocultar seu patrimônio.

De acordo com as informações do inquérito, a mãe de Itallo, Lucilene Nunes, era a responsável por negociar a compra de imóveis e bem como ocultar o patrimônio do influencer colocando imóveis, tais como chalés em Barra Grande em seu nome quanto veículos.

  

Ítallo, Samia, Lucilene e Letícia
Foto: Reprodução / Redes Sociais

   

A irmã, Sâmia Camylla, por sua vez, possuía um apartamento no condomínio Jardim de Manuela registrado em seu nome, adquirido, segundo a polícia, como uma forma de lavar dinheiro ilícito e posteriormente transferido para Sâmia para ocultação.

Emilly Christine desempenhava um papel na ocultação e pulverização do patrimônio de Itallo Bruno, enquanto Marcos Victor era apontado como conselheiro contábil e jurídico, responsável por legalizar o dinheiro proveniente de atividades ilícitas.

Outros membros da operação incluíam Lucilene Nunes, responsável por negociar a compra de imóveis e ocultar patrimônio, Valdir Sousa, ativo na ocultação de patrimônio através de veículos, Vinicius Alves, gerente de Itallo Bruno, Israel Veloso, envolvido no jogo de azar e lavagem de dinheiro, Kelton Douglas, braço direito na organização de rifas, Rikelme de França, operando sob as ordens de Itallo Bruno em tarefas relacionadas ao jogo de azar e compra de automóveis, e Letícia Evelyn, que promovia jogos de azar e organizava rifas.

Foram expedidos 15 mandados de prisão e busca e apreensão, revelando movimentações financeiras entre os envolvidos e facções criminosas. Itallo Bruno, com quase 680 mil seguidores no Instagram, é conhecido por ostentar motos de luxo e promover rifas com prêmios atrativos. Durante as investigações, foram encontradas ligações bancárias entre os acusados e um membro de facção criminosa, indicando envolvimento em lavagem de dinheiro para a organização.

Leia Também

Dê sua opinião: