Funcionário de faculdade particular é preso em Parnaíba por desvio de recursos - Cidades
Sexta, 14 de junho de 2024, 18:58
Cidades

Funcionário de faculdade particular é preso em Parnaíba por desvio de recursos

O funcionário foi conduzido à Central de Flagrantes de Parnaíba e, posteriormente, encaminhado à Penitenciária Mista da cidade.

Parnaíba, 06 de junho de 2024 – Um funcionário de 22 anos de uma universidade particular em Parnaíba foi preso na tarde desta quinta-feira, suspeito de desviar dinheiro das renegociações de parcelas de pelo menos 13 estudantes da instituição desde 2022. De acordo com a Polícia Civil do Piauí (PCPI), o prejuízo à universidade é estimado em R$ 100 mil.

As investigações conduzidas pela PCPI revelaram que o funcionário tinha acesso às informações de débito dos alunos, com quem negociava diretamente. Em vez de os estudantes pagarem a universidade, o dinheiro da renegociação era transferido para a conta bancária do suspeito. Ele foi desligado da universidade após a denúncia.

"O funcionário tinha contato direto com os alunos e negociava as dívidas com até 70% de desconto. Ele fornecia um e-mail funcional, em que aparecia o nome dele e da universidade e uma chave Pix, na qual constava o próprio nome da instituição. Acontece que o dinheiro caía na conta particular dele", explicou o delegado Williams Pinheiro, da Delegacia de Crimes contra o Patrimônio (Depatri).

A universidade descobriu o esquema e procurou a Depatri, que realizou a investigação. A Polícia inicialmente identificou 13 vítimas, mas suspeita que o número de alunos lesados e a quantia total da dívida sejam maiores.

"Essas vítimas foram apenas aquelas que conseguimos identificar, graças à ajuda da universidade, que fez a denúncia após uma auditoria. A dívida atual é de cerca de R$ 100 mil, mas quando contabilizarmos os outros alunos, com certeza irá aumentar", completou o delegado.

O funcionário foi conduzido à Central de Flagrantes de Parnaíba e, posteriormente, encaminhado à Penitenciária Mista da cidade.

Leia Também

Dê sua opinião: