Entenda a dinâmica do esquartejamento de Silvana Rodrigues em Teresina - Polícia
Sábado, 13 de julho de 2024, 21:47
Polícia

Entenda a dinâmica do esquartejamento de Silvana Rodrigues em Teresina

A prisão ocorre um dia após a captura de uma jovem apontada como a mandante do crime.

Na terça-feira (9), a Polícia Civil efetuou a prisão de duas novas pessoas suspeitas de envolvimento no assassinato e esquartejamento de Silvana Rodrigues de Sousa, de 21 anos. Essas prisões ocorreram um dia após a detenção da jovem Maria Clara Sousa Nunes Bezerra, identificada como a mandante do crime. O delegado Bruno Ursulino, responsável pela investigação, explicou a dinâmica do caso até o momento.

  

3 pessoas presas até o momento. Foto: Reprodução.

   

Conforme detalhado pelo delegado, os novos detidos são um homem e uma mulher. O homem, que possui um histórico criminal, é suspeito de ter participação direta no assassinato. A mulher, Maria de Fátima da Silva Santos, é a proprietária da casa onde Silvana foi morta.

  

Blogueira presa em Teresina. Foto: Reprodução.

   

O delegado Ursulino revelou que a polícia está apurando se o marido de Maria de Fátima, atualmente preso, ordenou que a casa fosse usada para o crime. "Estamos investigando se Maria de Fátima cedeu o imóvel por medo ou em troca de dinheiro, já que seu marido está detido e ela foi presa enquanto o visitava. Como ele faz parte do grupo envolvido no crime, queremos entender se a ordem para usar a casa veio dele", explicou Ursulino.

  

Delegado do DHPP Bruno Ursulino. Foto: Reprodução.

   

Maria de Fátima da Silva Santos é a dona da residência na Vila da Guia onde a vítima foi atraída, assassinada e esquartejada. Os restos mortais de Silvana foram encontrados em duas sacolas e enterrados na zona sudeste de Teresina.

Em entrevista, o delegado Ursulino detalhou a participação de Maria de Fátima no crime: "Ela foi presa por ser a proprietária da casa onde Silvana foi morta e esquartejada. Ela tinha conhecimento das atividades ilícitas que ocorreram. A investigação mostrou que, no dia do crime, ela permitiu a entrada dos envolvidos e os deixou agir sem intervenção. Considerando que todos os envolvidos tinham antecedentes criminais, Maria de Fátima deveria ter sabido que algo errado aconteceria. Por ter cedido o imóvel, ela será considerada cúmplice, facilitando a execução do crime", afirmou o delegado.

O corpo de Silvana Rodrigues de Sousa foi encontrado esquartejado e enterrado em um matagal na Vila da Guia, zona sudeste de Teresina, em 26 de junho. A polícia estava investigando seu desaparecimento desde 23 de junho, quando manchas de sangue foram encontradas na casa onde ela foi assassinada.

Leia Também

Dê sua opinião: